segunda-feira, 11 de junho de 2018

Do sacerdócio leigo ao simples emprego

Ilustração: Sergio Ricciuto Conte

Francisco Borba Ribeiro Neto, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP.

A recente reforma trabalhista, quer seja boa ou má, abriu brechas perigosas no reconhecimento dos direitos de alguns profissionais, entre os quais os professores. É um problema social grave, pois essa categoria enfrenta más condições de trabalho, num setor vital, no qual o desempenho do País tem sido muito fraco.
A recente paralisação dos professores da rede particular, pleiteando a manutenção de direitos trabalhistas há muito reconhecidos e que agora estão em risco, não é apenas a defesa corporativa de uma categoria. É uma luta pela qualidade da formação das novas gerações e pelo futuro do País.
Contudo, minha mãe, docente do Ciclo Fundamental, dizia que professores podiam protestar, mas não deviam fazer greve porque as crianças não eram culpadas dos erros dos adultos e não podiam ter sua formação comprometida. Na Faculdade de Ciências Sociais, no período da ditadura, um dos professores mais engajados e coerentes nos chocou dizendo que operários e trabalhadores do setor produtivo faziam greve, mas professores e estudantes, quando queriam mudar o mundo, ensinavam e estudavam mais ainda.
Vinham de uma época na qual a docência era vista como sacerdócio leigo. Para minha mãe, de um culto cristão do amor aos pequenos. Para meu professor, de um culto iluminista de emancipação pelo saber.
Numa sociedade cada vez mais mercantilista e individualista, os professores “se conscientizaram” que esse sacerdócio era uma ilusão da ideologia capitalista. Somos – por que eu também sou um professor de hoje – apenas trabalhadores assalariados, que têm de lutar por seus direitos contra os desmandos do mercado capitalista.
Na verdade, tratam-se das duas dimensões do trabalho às quais aludia São João Paulo II na Laborem exercens. Em sua dimensão subjetiva, o magistério é uma daquelas profissões que exigem tal carga de doação pessoal que não podem ser vistas senão como sacerdócio. Na objetiva, é uma atividade assalariada como todas as demais, num mundo onde predominam o lucro e a exploração do trabalho.
O drama dos professores reside, na atualidade, na enorme contradição entre essas duas dimensões. Nossa dignidade pessoal passa pela dimensão subjetiva, mas também pelo reconhecimento objetivo, que se concretiza em salários e condições de trabalho.
Os docentes que mantêm esse valor subjetivo do magistério (que são a maioria), quando convocados para paralisações e greves ficam divididos entre esse senso de dever e a necessidade de ter suas reivindicações ouvidas e atendidas.
Um problema adicional: a educação dos menores é um serviço essencial até porque os pais que trabalham não têm onde deixar seus filhos durante as paralisações. E as paralisações em serviços essenciais tendem a criar mais hostilidade do que empatia com as categorias paradas.
O equilíbrio entre todos esses fatores é o desafio que se coloca ás lideranças dos movimentos docentes. A história recente traz exemplos tanto de sucesso quanto de fracasso na busca desse equilíbrio e, em consequência, no êxito do movimento.
Para os católicos, é um desafio e uma oportunidade. Sendo tanto empregados quanto empregadores, são chamados a encontrar as formas adequadas de conciliar essas duas dimensões do trabalho docente, enfrentando com criatividade os desafios do mercado e da conjuntura.
Não há boa educação sem bons professores. A sociedade precisa encampar as justas reivindicações dos professores e fortalecer os movimentos e organizações pró educação que vem crescendo no Brasil.
Em ano eleitoral, não custa perguntar: você vai votar em candidatos que de fato apoiarão os professores e a melhoria da educação?
Jornal "O São Paulo", edição 3201, 5 a 12 de junho de 2018.

Famílias e as misericórdias de Deus


Pe. José Ulisses Leva, Doutor em História Eclesiástica pela Pontifícia Universidade Gregoriana e professor da Faculdade de Teologia da PUC-SP.

Como as Famílias entendem o Anúncio de Cristo Jesus proclamando o Reino de Deus? O que sugeriu o Papa Francisco com o Jubileu Extraordinário da Misericórdia? Como nossas famílias devem prosseguir na vivência cotidiana tanto as resoluções do Sínodo Ordinário sobre as Famílias quanto as benesses oferecidas no ocorrido Ano da Misericórdia?
Dom Odilo P. Scherer tem nos orientado sobre as conclusões do Sínodo Ordinário sobre as Famílias, a partir da Exortação Apostólica Amoris Laetitia (AL), para o bem de nossas famílias; e, como pastor da Igreja em São Paulo, tem nos conduzido a buscar sempre na Misericórdia de Deus nosso eficiente itinerário de santidade de vida.
Aproveitando das belíssimas proposições do Papa, aprofundamos nosso bem querer às Famílias, Igreja doméstica, no desejo efetivo e operoso de torná-las uma porta aberta para a santidade querida por Deus. “Na realidade, o amor social, reflexo da Trindade, é o que unifica o sentido espiritual da família e a sua missão fora de si mesma, porque torna presente o querigma com todas as suas exigências comunitárias. A família vive a sua espiritualidade própria, sendo ao mesmo tempo uma igreja doméstica e uma célula viva para transformar o mundo” (AL 324).
As pessoas se alegram quando são acolhidas e bem recebidas na Igreja. Sentem-se parte integrante e fazem da Igreja a extensão da sua casa. Quando bem recebidas, também, sentem o desejo de transmitir aos outros o acolhimento à luz da Palavra de Deus. Assim, tornam-se portadoras da mensagem salutar do Evangelho de Cristo Jesus junto aos seus familiares e amigos, Acontece, portanto, a propagação e dilatação do Reino anunciado pelo Altíssimo Filho de Deus, Jesus Cristo, a todas as pessoas. “Eu quero amor e não sacrifícios, conhecimento de Deus e não holocaustos” (Os 6,6). “Não é a observância da lei que salva, mas a fé em Jesus Cristo, que, pela sua morte e ressurreição, traz a salvação com a misericórdia que justifica” (MV nº 20).
As pessoas estão carentes da mensagem salutar que encontramos nas passagens da Boa Nova trazida pelo Filho de Deus. Simultaneamente precisamos apresentar a Trindade Santa falando pessoalmente com cada membro que compõe a Igreja. As pessoas procuram Deus e querem encontrá-Lo. Precisamos oferecer a cada pessoa um encontro amoroso, acolhedor e misericordioso com Deus, para orientá-la a viver em comunidade.
A Igreja dever ser a porta aberta para acolher novos membros e ao mesmo tempo deve oferecer o conhecimento do anúncio querigmático contido no Evangelho da Alegria proclamado por Cristo Jesus. Momento privilegiado para falar de Deus e celebrar a vida com a Trindade Santa é a Santa Missa. Na Eucaristia vivemos o céu estando ainda da terra; vivemos o hoje saboreando e antevendo as delícias do Eterno.
O Papa Francisco tem apresentado com alegria suas expectativas pastorais à Igreja. Em tempos de Sínodo Arquidiocesano, Dom Odilo P. Scherer, tem se mostrado incansável no seu múnus de pastor junto à Igreja em São Paulo, vislumbrando as obras de Misericórdia.
As Sagradas Escrituras devem nortear as famílias, juntamente com os Documentos emitidos pelo para Francisco e as Orientações Pastorais Arquidiocesana promulgadas por Dom Odilo P. Scherer.  Seja, de fato, tempo de profunda alegria e operosa benesse a todas as famílias que vivem a proposta do Reino de Deus e praticam intensamente as obras de misericórdia.
Jornal "O São Paulo", edição 3201, 5 a 12 de junho de 2018.

A saúde na agenda da ONU 2030: Saúde e bem-estar para todos, em todas as idades


Leo Pessini

Na agenda do Desenvolvimento Sustentável da ONU 2030 (2015-2030), que substitui a agenda dos objetivos do Milênio (2000-2015), entre os dezessete objetivos para a transformação do mundo, o no. 3, é exclusivamente dedicado à saúde e tem como meta: “Assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades”.  Os dados que apresentamos a seguir são dados oficiais da ONU.
No horizonte estratégico das prioridades a serem assumidas prevê-se para 2030:
1) Reduzir a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 mortes por cem mil nascidos vivos.
2) Acabar com as mortes evitáveis de recém-nascidos e crianças menores de 5 anos, com todos os países objetivando reduzir a mortalidade neonatal para pelo menos 12 por mil nascidos vivos e a mortalidade de crianças menores de 5 anos para pelo menos 25 por mil nascidos vivos.
3) Eliminar as epidemias de AIDS, tuberculose, malária e doenças tropicais negligenciadas, e combater a hepatite, doenças transmitidas pela água, e outras doenças transmissíveis.
4) Reduzir em um terço a mortalidade prematura por doenças não transmissíveis via prevenção e tratamento, e promover a saúde mental e o bem-estar
5) Reforçar a prevenção e o tratamento do abuso de substâncias, incluindo o abuso de drogas entorpecentes e uso nocivo do álcool
6) Até 2020, reduzir pela metade as mortes e os ferimentos globais por acidentes em estradas.  Somente no Brasil, hoje temos anualmente em torno de 36 mil mortes no trânsito/estradas, com aproximadamente 350 mil feridos.
7) Até 2030, assegurar o acesso universal aos serviços de saúde sexual e reprodutiva, incluindo o planejamento familiar, informação e educação, bem como a integração da saúde reprodutiva em estratégias e programas nacionais.
8) Atingir a cobertura universal de saúde, incluindo a proteção do risco financeiro, o acesso a serviços de saúde essenciais de qualidade e o acesso a medicamentos e vacinas essenciais seguros, eficazes, de qualidade e a preços acessíveis para todos.
9) Até 2030, reduzir substancialmente o número de mortes e doenças por produtos químicos perigosos, contaminação e poluição do ar e água do solo.
a) Fortalecer a implementação da Convenção para o Controle do Tabaco em todos os países.
b) Apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de vacinas e medicamentos para as doenças transmissíveis e não transmissíveis, que afetam principalmente os países em desenvolvimento, proporcionar o acesso a medicamentos e vacinas essenciais a preços acessíveis, proteger a saúde pública e, proporcionar o acesso a medicamentos para todos.
c) Aumentar substancialmente o financiamento da saúde e o recrutamento, desenvolvimento e formação, e retenção do pessoal de saúde nos países em desenvolvimento, especialmente nos países menos desenvolvidos e nos pequenos Estados ilha.
d) Reforçar a capacidade de todos os países, particularmente os países em desenvolvimento, para o alerta precoce, redução de riscos e gerenciamento de riscos nacionais e globais de saúde.
A agenda de trabalhos e prioridades é simplesmente gigantesca e exige esforços comuns de investimentos vultosos de todos os países e organizações afins.  Pelo menos metade da população mundial não tem acesso a serviços essenciais de saúde e as populações com acesso gastam grande parte do orçamento com despesas médicas.  De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 800 milhões de pessoas no mundo gastam 10% do que ganham com saúde e quase 100 milhões são obrigadas a viver com menos de US$ 1,90 por dia por conta desses gastos. "É completamente inaceitável que metade do mundo ainda não tenha cobertura para os serviços de saúde mais essenciais", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, em nota.
No plano estratégico da OMS para os próximos cinco anos temos três mega prioridades a saber: “ver um bilhão de pessoas aproveitando os benefícios da cobertura de saúde universal”; “ver um bilhão de pessoas protegidas contra emergências de saúde”; e, por fim, “ver um bilhão de pessoas vivendo com mais saúde e bem-estar”.
Vamos acompanhar, não só para ver o que acontecerá, mas para que isto seja uma realidade.

terça-feira, 29 de maio de 2018

Capítulo V: Luta, vigilância e discernimento


Introdução
A vida cristã é uma luta permanente. Requer-se força e coragem para resistir às tentações do demônio e anunciar o Evangelho (GE, §158).
Qual é, porém, a arma de que dispomos? A graça de Deus sem dúvida, o Espírito de Jesus, que ilumina a nossa inteligência e revigora a nossa vontade, tornando-nos capazes de discernir nas circunstâncias concretas e imprevisíveis de nossa vida o que é verdadeiramente bom, em continuidade com a Palavra e o Espírito do Senhor.
A santidade, em última análise, é uma questão de discernimento iluminado pela Palavra de Jesus e animado pelo Espírito de Amor.
Francisco Catão

Não se trata apenas de uma luta contra o mundo e a mentalidade mundana, nem contra a própria fragilidade e as próprias inclinações, mas é também contra o demónio, que é o príncipe do mal (§159). Enquanto nos obstinarmos a olhar a vida apenas com critérios empíricos, sem uma perspectiva de fé, não admitiremos a existência do demônio. Nos tempos de Jesus confundia-se a ação do demônio com algumas doenças mentais, reconhecidas hoje como tais, mas não simplifiquemos demasiado a realidade, afirmando que nos Evangelhos tudo era doença psíquica.
A presença do demônio consta das primeiras páginas da Sagrada Escritura e Jesus, que nos deixou a oração do Pai-Nosso, quis que a concluíssemos pedindo ao Pai que nos livrasse do Maligno (§160). Não pensemos que seja puro mito, uma figura ou ideia. O demónio não precisa nos possuir, envenena-nos com o ódio, a tristeza, a inveja e os vícios, «como um leão a rugir, anda a rondar nos, procurando a quem devorar» (§161).
A Palavra de Deus convida-nos, a resistir «contra as maquinações do diabo» e a «apagar todas as setas incendiadas do maligno». Não se trata de palavras poéticas; quem não quiser reconhecê-lo se expõe ao fracasso ou à mediocridade (§162). O progresso no bem, o amadurecimento espiritual e o crescimento do amor são o melhor contrapeso ao mal (§163).
O caminho da santidade é fonte de paz e alegria, mas exige que estejamos com «as lâmpadas acesas» e permaneçamos vigilantes, pois, quem não se dá conta de cometer faltas graves contra a Lei de Deus, pode cair numa espécie de sonolência e não advertir a tibieza que pouco a pouco se vai apoderando da sua vida espiritual. Acaba ficando espiritualmente “corrompido” (§164). A corrupção é pior que a queda: é uma cegueira cômoda e autossuficiente, em que tudo acaba por parecer lícito (§165).

Como saber se algo vem do Espírito Santo ou deriva do espírito maligno do mundo?
A única forma é o discernimento, um dom que se precisa pedir ao mesmo Espírito Santo e cultivar na oração e na reflexão (§166). Hoje em dia, tornou-se particularmente necessário, dadas as enormes possibilidades de ação e distração a que, especialmente os jovens, estão sujeitos, para não cair num zapping constante. Sem discernimento, nos transformaríamos em marionetes à mercê das tendências do momento (§167).
Quando aparece uma novidade na própria vida, é necessário discernir se vem ou não de Deus; pode até acontecer que, pelo contrário, as forças do mal nos induzam a não mudar, sufocando o sopro do Espírito Santo. Somos livres, com a liberdade de Jesus, mas Deus nos chama a examinar o que há dentro de nós e o que acontece fora de nós, para reconhecermos os caminhos da plena liberdade (§168).
O discernimento não é necessário apenas em momentos extraordinários: é um instrumento de luta, para melhor seguir o Senhor. Devemo-nos decidir nas coisas simples e diárias. Trata-se de não colocar limites rumo ao máximo, mas ao mesmo tempo concentrar-se no pequeno, nos compromissos de hoje. O discernimento nos leva a valorizar os meios concretos que o Senhor predispõe, no seu misterioso plano de amor, para não ficarmos apenas nas boas intenções (§169)
O discernimento espiritual não exclui as contribuições de sabedorias humanas. Não lhe bastam também as normas sábias da Igreja. É uma graça, inclui a razão e a prudência, mas as supera, pois se trata de entrever o mistério daquele projeto, único e irrepetível, que Deus tem para cada um de nós. Em suma, leva-nos à fonte da vida que não morre. Não requer capacidades especiais nem está reservado aos mais inteligentes e instruídos, pois o Pai Se manifesta aos humildes (§170).
Embora o Senhor nos fale de muitos e variados modos, não é possível prescindir do silêncio da oração prolongada para perceber melhor nossa vida à luz do Espírito (§171). O discernimento orante exige a predisposição de escutar: o Senhor, os outros e a própria realidade, que não cessa de nos interpelar. Exige estar disponível para acolher um chamado que contrarie nossas seguranças, mas nos leva a uma vida melhor, sem que nem reconheceríamos a voz de Deus, tão distraídos e acomodados que somos (§172).
Não se trata de aplicar receitas ou repetir o passado, somente o Espírito sabe penetrar nas dobras mais recônditas da realidade para iluminá-la com a luz do Evangelho (§173). Seguir o caminho da cruz e educar-se para a paciência de Deus e seus tempos, que nunca são os nossos, é a condição essencial para avançar no discernimento (§174).
Quando perscrutamos na presença de Deus os caminhos da vida, não há espaços que fiquem excluídos. Em todos os aspetos da existência podemos continuar a crescer e dar algo mais a Deus, mesmo naqueles em que experimentamos as dificuldades mais fortes. Mas é necessário pedir ao Espírito Santo que nos liberte e expulse aquele medo que nos leva a negar-Lhe a entrada nalguns recantos da nossa vida (§175).
Contemplemos a figura de Maria. Ela viveu como ninguém as bem-aventuranças de Jesus. A Mãe não necessita de muitas palavras, para lhe explicar o que se passa conosco (§176). Que estas páginas sejam úteis para que toda a Igreja se dedique a promover o desejo da santidade. Peçamo-lo ao Espírito Santo (§177).
Jornal "O São Paulo", edição 3200, 23 a 30 de maio de 2018.

A nossa roupa de domingo

Ilustração: Sergio Ricciuto Conte

Isabella Fiorentino, modelo e apresentadora do Programa Esquadrão da Moda.

Sempre me comoveu participar de Missas e celebrações em paróquias de pequenas cidades e vilarejos. É muito bonito ver como as pessoas têm especial cuidado com sua arrumação pessoal e com seu modo de vestir para a Missa.  O decoro e a elegância com que se apresentam, aquela “roupa de domingo“, que não é luxuosa, mas que se vê que foi cuidadosamente escolhida, refletem a piedade e sensibilidade da sua alma. Essa atitude me faz pensar que a aparência exterior é uma maneira de expressar o amor que temos dentro do coração.
A preparação para a Santa Missa é, antes de tudo, uma atitude interior: a disposição de oferecer a Deus tudo o que somos e temos e também de perdoar nossos irmãos antes de apresentarmos nossa oferenda. No entanto, também a nossa atitude exterior é importante para um digno culto a Deus, e se manifesta, entre outros aspectos, por meio da nossa postura e do nosso modo de vestir.
A vestimenta é uma forma de nos comunicar. Quando vamos visitar uma pessoa muito importante ou por quem temos um grande apreço, gastamos tempo para nos preparar, pois estar bem arrumados é uma forma de prestigiá-la. A ninguém ocorre pensar em ir para um casamento ou para uma festa com trajes esportivos. Na Missa, nosso anfitrião é o próprio Deus, o que faz dela o acontecimento mais importante da nossa semana.
Por isso, muito me entristece ver as pessoas chegando para a Missa direto do parque, do churrasco ou da praia, vestidas como se a celebração eucarística fosse apenas uma parte a mais de sua rotina de domingo, um compromisso pouco importante. A Missa torna presente o mesmo Sacrifício da Cruz e cada um de nós está ali como a Virgem Maria, o Apóstolo João ou as Santas Mulheres, acompanhando a Jesus no Calvário.
No Evangelho de São Marcos (Mc 14,3-9), lemos que Jesus não censurou a mulher por derramar sobre seus pés um perfume de grande preço. Pelo contrário, demonstrou gratidão pelo gesto de amor que teve para com Ele. Imagino como alegra o coração de Deus quando damos generosamente a Ele o que temos de melhor, não o que nos sobra. Por isso, fazer da Missa o centro do nosso Domingo, preparando a nossa alma e o nosso corpo adequadamente para esse momento tão sublime, é a melhor forma de demonstrar nosso amor a Deus.
Mesmo sendo profissional da área, não pretendo dar exemplos concretos, pois não se trata de um editorial de Moda. Cada um, a seu modo e sem perder seu estilo pessoal, pode pensar como se apresentar de maneira mais especial para a Missa. Como cristã, gostaria apenas de propor uma reflexão: como podemos demonstrar externamente mais reverência a Jesus Eucarístico, retribuindo o Amor com que Ele se entrega a cada um de nós todos os domingos na Santa Missa?
Jornal "O São Paulo", edição 3200, 23 a 30 de maio de 2018.

Subsidiariedade: proposta de um novo paradigma social


Rafael Mahfoud Marcoccia é professor do Centro Universitário FEI.

Em artigo anterior (Antropologia positiva: berço da sociabilidade, O São Paulo, 17/01/2018) encerrei afirmando que a subsidiariedade parte de uma antropologia positiva e permite correções virtuosas ao liberalismo e ao estatismo. Esse princípio encontra sua formulação mais adequada na Doutrina Social da Igreja. Sua primeira formulação data da encíclica Quadragesimo anno (QA) de Pio XI: “Assim como é totalmente errado tirar dos indivíduos aquilo que eles podem realizar por sua própria iniciativa e trabalho e dar à comunidade, também é uma injustiça designar a uma associação maior e mais alta o que organizações menores e subordinadas podem fazer”, porque “toda atividade social deve, por sua própria natureza, fornecer ajuda aos membros do grupo social, e nunca destruí-los e absorvê-los” (QA 79).
Desde o início, o princípio é, portanto, caracterizado pelo apelo a uma obrigação dupla por parte do governo: a obrigação negativa de se abster de intervir quando os indivíduos e associações menores podem executar de forma mais adequada certa função; e a obrigação positiva de ajudar e apoiar a livre iniciativa dos indivíduos e de realidades sociais quando necessário.
A obrigação do governo de se limitar e de ajudar implica na afirmação decisiva de que a liberdade humana é a dimensão primária e construtiva no contexto social e institucional. A subsidiariedade sugere que é preciso ver, ouvir, para aumentar o valor do que originalmente existe e desenvolver livremente, de baixo para cima, em resposta às necessidades dos indivíduos e da coletividade.
O princípio da subsidiariedade, portanto, se baseia na hipótese de que a pessoa, individualmente ou em associação com outras pessoas, é potencialmente capaz de confrontar as necessidades coletivas e satisfazê-las. Essa perspectiva não é dominada pela suspeita em relação à presumível busca do desejo particular e individual ou às consequências (negativas) que isso talvez tenha para o bem comum. Pelo contrário, há confiança em que a tensão construtiva dentro da condição humana tenha um resultado positivo.
Sempre que o projeto de um sistema de bem-estar social reconhece a busca pelo bem e a capacidade de se relacionar como constituintes de cada indivíduo, uma função subsidiária para o Estado emerge naturalmente, baseada no respeito pela dignidade de cada pessoa e agindo para aumentar – em vez de restringir ou diminuir – a capacidade de autonomia do cidadão, seja enquanto indivíduo ou em associações livres. Por essa razão, ele deve agir em grande parte de maneira subsidiária, sempre que as iniciativas dos órgãos sociais não responderem adequadamente às diferentes necessidades individuais. Em casos assim, a intervenção do Estado atua como um incentivo para apoiar as iniciativas e o trabalho de indivíduos ou de formações sociais, sem necessariamente substituí-los.
Assim, as necessidades estruturais do ser humano – como os desejos de bem, justiça e verdade - são o ponto de partida para uma reestruturação da sociedade que supere tanto a suposta racionalidade do homo oeconomicus, e uma concepção de cidadania limitada ao desfrute passivo dos direitos (e impostos) garantidos pelo Estado-Providência.
Em suma, a subsidiariedade propõe um novo paradigma social e um “novo governo” baseado na colaboração, na interdependência, na negociação, na parceria e no reconhecimento da necessidade de interação entre as realidades públicas e privadas e, em especial, com as realidades não lucrativas do terceiro setor.
Jornal "O São Paulo", edição 3200, 23 a 30 de maio de 2018.

A Organização Mundial da Saúde aos 70 anos!


Leo Pessini

Neste ano, estamos celebrando o 70º aniversário da Organização Mundial da Saúde, OMS.  Fundada em 1946, a OMS sucedeu a Organização de Saúde da Liga das Nações no imediato pós-guerra. Sua constituição entre em vigor no dia 7 de abril de 1948, comemora-se e desde então, nesta data comemora-se mundialmente o Dia Mundial da Saúde. Neste ano de 2018 o tema que foi proposto é “Cobertura de Saúde Universal: para toda a gente em todos os lugares”.
Nestas últimas 7 décadas, a esperança média de vida em todo o mundo aumentou 23 anos, a varíola desapareceu, e a pólio vai acabar em breve, afirmam os especialistas em saúde.” A OMS é hoje a mais importante agencia da ONU em termos de vigilância sanitária global.  A OMS, desde o início de suas atividades há 70 anos, tem liderado esforços para livrar o mundo de doenças fatais, como a varíola, e para combater hábitos que podem levar à morte, como o consumo de tabaco.  Apesar destes avanços, pessoas em todo o mundo ainda morrem precocemente e não tem acesso aos cuidados indispensáveis e vitais de saúde. Todos os anos, cerca de 100 milhões de pessoas são empurradas para uma situação de pobreza extrema onde faltam todos os cuidados, não só os de saúde.
Neste ano, o Dia Mundial da Saúde deste ano é dedicado a um dos princípios éticos estruturais da OMS: “O gozo do mais alto padrão de saúde possível é um dos direitos fundamentais de qualquer ser humano, sem distinção de raça, religião, crença política, condição econômica ou social”. O Slogan deste dia, vai nesta direção ao propor "Saúde universal: para todos, em todos os lugares".
“Uma boa saúde é a coisa mais preciosa que a pessoa pode ter”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Quando estão saudáveis, as pessoas podem aprender, trabalhar e sustentar a si mesmas e suas famílias. Quando estão doentes, nada mais importa. Famílias e comunidades ficam para trás. É por isso que a OMS está comprometida em garantir uma boa saúde para todas e todos.” Com 194 Estados Membros em seis regiões no Planeta, a OMS está unida em um esforço compartilhado para melhorar a saúde de todas as pessoas, em todos os lugares – e alcançar o Objetivo (n. 3), da Agenda do Desenvolvimento Sustentável (ODS) 2030 da ONU de garantir “vidas saudáveis e promover o bem-estar para pessoas de todas as idades”. 
Alguns dos maiores ganhos em saúde são observados entre crianças menores de cinco anos: em 2016, seis milhões de crianças a menos morreram antes de completarem cinco anos de idade em relação a 1990. A varíola foi derrotada e a pólio está à beira da erradicação. Muitos países eliminaram com sucesso o sarampo, a malária e as doenças tropicais debilitantes, como dracunculíase (verme-da-guiné), bem como a transmissão do HIV e da sífilis de mãe para filho. 
As novas e ousadas recomendações da OMS para um tratamento precoce e mais simples, combinadas com esforços para facilitar o acesso a medicamentos genéricos mais baratos, ajudaram 21 milhões de pessoas a receberem tratamento para o HIV. A situação de mais de 300 milhões de pessoas que sofrem de infecções crônicas por hepatite B e C está finalmente ganhando atenção global. E parcerias inovadoras produziram vacinas eficazes contra meningite e ebola, bem como a primeira vacina contra a malária do mundo. 
                Nas últimas décadas, vimos o aumento de doenças crônicas não transmissíveis, como câncer, diabetes e doenças cardiovasculares. Essas enfermidades atualmente representam 70% de todas as morte no mundo. Assim, a OMS mudou o foco, com a colaboração dos ministérios de saúde dos países membros, para promover uma alimentação saudável, exercícios físicos e exames de saúde regulares. A Organização realizou campanhas de saúde em todo mundo para a prevenção de diabetes, hipertensão e depressão. A OMS está atualmente respondendo a surtos e crises humanitárias (países em guerra) em mais de 40 países.   
Desde o início, a OMS reuniu especialistas em saúde do mundo todo para produzir recomendações e materiais científicos para todo o globo. Resultado desta ação temos hoje o CID - classificação Internacional de Doenças, utilizada hoje em 100 países como um padrão comum para relatar doenças e identificar tendências de saúde e a Lista de Medicamentos Essenciais da OMS – e um guia para países sobre os principais medicamentos que um sistema nacional de saúde precisa. Em breve teremos a primeira Lista de Diagnósticos Essenciais do mundo.
A partir de agora uma nova e exigente agenda da OMS focará em obter saúde universal para mais de um bilhão de pessoas; proteger mais um bilhão de pessoas das emergências de saúde e permitir que um bilhão de pessoas desfrutem de melhor saúde e bem-estar na trilha da Agenda 2030, do Desenvolvimento Sustentável da ONU.
Que isto não seja um mero sonho, ilusão ou utopia, mas que a humanidade acorde, se uma em torno deste objetivo maior de cuidar da saúde humana e superando interesses particulares, se encontre neste horizonte maior de investir em cuidados de saúde, cuidando da vida prioritariamente a partir dos mais deserdados da terra.